Loading...
Azylo Hotel

Música para músicos uma verdadeira arte

Ouvir rádio hoje em dia é romantismo, lembrança das boas, dos tempos em que se ficava com o ouvido ligado no aparelho chamado rádio e esperar por sua música preferida na sua estação preferida e seu locutor imaginário porque só se ouvia dele sua voz, sua imagem só na mente e cada mente uma imagem. Já foi chamado de DJ que além de apresentar as músicas criava uma sonoridade de voz que atraia seu público, seus mistérios e suas sensualidades.

Aqui em Londrina tínhamos Célio Alves de Lima que foi o que mais atraia os meninos e as meninas como se fosse o flautista de Hamelin. Teve também o sinistro Jurandir Panza e sua moto gigante uma Harley ou uma Indian a correr pelas noites londrinenses, como o locutor fantasma e suas programações, digamos nem muita na época para mim, e nem muita para hoje em dia. Músicas românticas apaixonantes sem mistério e sem letras fortes e decididas. Este são só dois dos mais procurados no dial das emissoras que ainda eram monos não existia o estéreo.

Hoje a música é gigante e poderosa atrai muito mais que qualquer coisa ela leva multidões as casas de shows e por sua banda preferida e dançar a noite toda sem parar. Londrina tem bandas preferidas e o som nas rádios continua sendo pop ou popular que dá ibope que atrai mídia, o que vocês ouvirão não atrai, nada disso, atrai que toca música, música para músicos.

Qualidade é sua necessidade orgânica desta bandas e seus letristas e seus músicos, nem queremos tocar em rádios locais, podem incomodar as programações plásticas e dançante. Suas músicas são para serem ouvidas. Bandas como Terra Celta que abre esta programação não visa sucesso nas rádios fm, ou Zenikan que vem lá do outro lado do planeta só para gravar e ouvir seus sons em lugares exóticos, Banda 2, Frank Toledo e Diego Burka. Fazem o que  gostam e melhoram a cada passo. A banda Hostil tem seu lado punk colegial com letras bem suadas e direcionadas ao discurso panfletário, Imagery e seu progressivo visa a platéia extraterrestre, Humanish, Conrado Schelller fazem letras e músicas direcionadas ao cotidiano do solitário e André e os Gigantes fazem música para corações que ainda sofrem por indiferença e desprezo aos sentimento como meu, seu e de muitos que estão perdidos por um coração solitário.

Ouçam as músicas dos londrinenses que busca o espaço dele do outro lado do lado de lá, e sejam felizes.