Carregando...
Punkadaria

Joey Cape do Lagwagon com novo disco solo

Joey Cape

No Punkadaria desta semana, João Albuquerque fala sobre o novo disco de Joey Cape do Lagwagon que  faz música consistentemente há 30 anos. Isso é muito tempo. Ele lançou discos com Lagwagon, Me First and The Gimme Gimmes, Bad Loud, Bad Astronaut e, claro, em seu próprio nome. Ao todo, são mais de 20 álbuns, mais uma infinidade de EPs, compilações, etc. Ele tem sido prolífico e consistente na maior parte do tempo. Seu trabalho solo, talvez um pouco surpreendente, só apareceu primeiro (oficialmente) em 2008 com o Bridge.

O que dá um contraponto interessante para um dos aspectos deste novo disco solo é a diversidade de instrumentação, composição e estilos. Solo garante aspas neste caso, já que existem muitas faixas  que se parecem mais com versões completas de produção de canções,  com órgãos, várias faixas com guitarra, teclados, metais, suporte variado e vocalistas convidados.

A faixa título e primeira música quase nos leva à crença imediata de que estamos no território tradicional de acústica, com uma introdução bem escolhida, acompanhada pelas letras distintivas e levemente tristonhas de Cape até passar da marca de 2 minutos, quando ele se une a bateria, percussão, o baixo e a guitarra e a música assumem uma virada abertamente otimista… É um começo forte e que dá uma indicação de que você pode esperar mais de 40 minutos do álbum.

Seria quase necessário fazer uma resenha música por música para dar uma ideia real do alcance do que é oferecido pelo disco, mas vamos só há alguns exemplos, como a música “Possession” que parece que foi gravada em um bar mexicano esfumaçado. “Fighting Atrophy” tem tons de uma música lo-fi do Lagwagon, sendo ritmada e principalmente baseada em guitarra elétrica (também é fantástico) e “I Know How To Run” soa como uma barcaça maltrapilha de folk punk. Há também uma quantidade surpreendente de solos de guitarra ao longo do disco.

Em última análise, Cape tem uma compreensão tão bem desenvolvida e intuitiva das composições neste ponto, que a qualidade e a implantação de todos os aspectos constituintes desse registro é incrivelmente alta. Outra coisa que é importante, mas não é facilmente alcançada quando se trata de projetos solo dessa natureza, é que, fora da marca/cadência registrada de Cape, o registro mantém sua própria identidade enquanto ainda explora expansivamente dentro dessa estrutura.

Se você é fã de Joey Cape (e por que você não seria), então há muito o que curtir aqui. Let me know when you give up  é o som de um homem completamente em casa no papel de músico e ainda mas explorando novos limites em sua arte.

Músicas de Joey Cape, Ramones, Lagwagon e Bad Religion.