Loading...
Jornalismo Cultural

Democracia sim, retrocesso não

Democracia

No último sábado (20), a Frente Feminista de Londrina e a Frente Ampla de Londrina promoveram em conjunto o “Grande Ato: Democracia sim, retrocessos não!”. Manifestantes se reuniram em frente o Teatro Ouro Verde (por volta das 10h) e caminharam até Praça Rocha Pombo gritando palavras de ordem contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Por Andressa Rossi e KIcani Pietro

Para o manifestante professor Marcio André de 47 anos, o ato é de extrema importância para a defesa da democracia, pois a sociedade precisa evoluir com ideias igualitárias, sem preconceitos e violência, “temos uma disputa aí em segundo turno para a presidência, onde o grupo que se apresenta hoje, majoritariamente segundo as pesquisas, é encabeçado por uma figura que em toda sua história de vida demonstra ser um ser humano que é ao contrário de tudo aquilo que a gente defende.

Manifestantes se reuniram por volta das 10h na região central de Londrina – Foto: Andressa Rossi

Uma pessoa totalmente preconceituosa, misógina xenófoba, e violenta. Que defende a violência. Pensamos que a sociedade brasileira precisa avançar, evoluir para uma sociedade mais igualitária, mais humana”, pontuou Marcio.

Manifestantes portaram faixas e bandeiras a favor da democraria – Foto: Andressa Rossi

A bióloga aposentada Edlmar de Andrade Rivas também esteve no ato. Segundo ela é importante a manifestação mostrar que há o lado da resistência de Londrina, apesar da maioria ter votado no candidato Jair Bolsonaro (o candidato teve mais de 65% de votos válidos na cidade). “Aqui em londrina parece-me que a maioria votou no Bolsonaro. Mas é importante marcar que aqui também tem uma resistência democrática a favor da candidatura do Haddad. É demonstrar que tem uma resistência a essa manipulação direitista, preconceituosa e antidemocrática. Eu vejo que a politica está muito manipulada pelas forças do capital e que a população precisa se informar pra ter uma decisão mais consciente”, afirmou ela.

A organização se colocou a favor da democracia, da classe trabalhadora, dos movimentos de minoria e contra o fascismo. “Nós entendemos que a candidatura do Bolsonaro fere todas as perspectivas dos interesses da classe trabalhadora. Estamos aqui hoje dizendo não a volta de um fascismo. A gente tem aí uma perspectiva fascista dessa candidatura. Onde por dados dos jornais, vemos muitas pessoas sendo violentadas pelo discurso fascista. O que é fascismo pra nós? o fascismo é esse discurso agressivo, esse sentimento de superioridade politica que eles têm. Onde eles promovem a intolerância contra negros, população LGBT, quilombolas, povos indígenas e contra mulheres também. Então, estamos aqui, nos colocando contra tudo que o discurso do Bolsonaro prega”, afirmou uma das organizadoras.