Carregando...
Punkadaria

Cokie The Clown, o alter-ego de Fat Mike

Cokie The Clown

No programa desta semana abordamos o novo trabalho de “Fat Mike” Burkett, o controverso vocalista da banda punk NOFX, que lançou disco novo com seu autoproclamado alter-ego, Cokie the Clown, chamado You´re Welcome. Mas não se engane, este não é um álbum do NOFX ou alguma interação estranha da loucura que todos nós conhecemos e amamos. Isto é algo completamente diferente.

You are welcome conta com vários colaboradores, incluindo Travis Barker (você sabe quem ele é), Dizzy Reed do Guns N ‘Roses (lembra deles?) E Baz – o gênio por trás da capa orquestral do The Decline de NOFX. Também foi produzido por Danny Lohner, cujo currículo inclui o Nine Inch Nails, o A Perfect Circle e até Eminem. Então, certamente há algum talento por trás deste disco, mas no final do dia a voz do próprio Mike é o centro das atenções – não apenas literalmente, mas estilisticamente também. Todas as escolhas musicais aqui são muito discretas, nunca objetivando realmente enganchar em você, mas para guiá-lo através dos momentos – quase como uma trilha sonora.

A faixa de abertura “Bathtub” foi gravada bêbado em sua cozinha, com  Fat mike  de voz rouca, contando verdadeira história de encontrar sua agora ex-mulher à beira da morte em uma banheira. Ele discute sua ajuda à mãe doente terminal a terminar sua vida em “That Time I Killed My Mom”. Ao longo do álbum ele aborda essa perda incrível, auto-aversão, bem como encontrar consolo em ambas as comunidades punk e BDSM, um acrónimo para a expressão “bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo”.

Seria difícil assumir as motivações de Mike para tal álbum, e pode-se esperar que possa ter sido um processo terapêutico. O que ocasionalmente falta em complexidade musical, compensa em emoção e verdade.

Lars von Trier, cineasta dinamarquês, disse uma vez que um filme deveria ser como uma pedra em um sapato. E é exatamente isso que esse álbum é. É desconfortável e abrasivo, cru e doloroso. Na verdade, é uma experiência desagradável. E enquanto isso soa como uma coisa ruim, realmente não é. Este é um convite dentro da mente de um dos ícones mais famosos do punk rock. Pode-se dizer que são quase auto-biográficos, instantâneos os momentos que moldaram a vida de Mike de maneira triste e muitas vezes confrontada.

Mas há beleza na dor de Fat mike. As composições são sutilmente requintadas e não há duas músicas parecidas umas com as outras. Os arranjos variam notavelmente, de acapella a piano, violão e bateria – ele nunca se repete e está sempre indo em direções diferentes. Mesmo quando revisitou ‘Down with the Ship’ do álbum de 2012 do NOFX, Self Entitled, o álbum mantém suas harmonias únicas e transforma uma música relativamente otimista em algo assombrado.

No geral, esse não é o disco para todos. Mesmo os fãs incondicionais do NOFX vão ficar surpresos com o que o Mike conseguiu com o You´re Welcome. É raro alguém ser honesto e eu não ficaria surpreso se é algo que não ressoa tão bem com todos. Mas se você ligá-lo e ouvir você vai estar em algo real. E em 2019 o real é algo que provavelmente precisamos.

Músicas de Cokie The Clown, NOFX, Bad Religion e Ramones