Carregando...
Jornalismo Cultural

1º Festival Cultural de Etnias chega ao fim

Por Bruna Miyuki

Fotos Bruno Codogno

Grupo Maracatu Semente de Angola

Os tambores do Grupo Maracatu Semente de Angola marcaram o encerramento do 1º Festival Cultural de Etnias no Sesc Cadeião. A apresentação finalizou a última noite do evento no domingo (02) após o ritmo alegre e rápido do Grupo Folclórico Português Os Lusíadas, de Maringá, e a forte tradição indígena dos kaingangs dos grupos de dança Nen-Gá e Guerreiros.

O público lotou o pátio externo do Sesc Cadeião e acompanhou com atenção as apresentações. Em um ritmo distinto de um espetáculo – com apresentações mais longas, mas igualmente belas – o 1º Festival Cultural de Etnias trouxe para Londrina o conhecimento das tradições que compõe a cultura local, despertando a curiosidade do público. Conversas paralelas tentavam dar sentido ao que era apresentado, buscando o significado dos trajes, danças e músicas.

Aproximação com a cultura local

Apresentação do Grupo Indígena Kaingang Nen-Gá

A técnica em atividades do Sesc Cadeião e organizadora do evento, Viviane Feitosa, relembra que o propósito do festival é justamente aproximar a população da cultura regional. “O projeto contribui para que as pessoas conheçam os grupos folclóricos que a gente têm não só em Londrina, mas no nosso entorno. Londrina tem tantas etnias e a gente não conhece todas essas tradições. Esse projeto vem para realizar esse resgate”.

Vale ressaltar que a programação do evento foi inteiramente gratuita e se espalhou também por outros espaços da cidade. No dia de abertura (31), o Grupo de Maracatu Semente de Angola realizou um cortejo musical pelo calçadão de Londrina e no segundo dia do festival (01), o Grupo Nipo-Brasileiro de Taiko Ishindaiko se apresentou na Praça Nishinomiya.

Preservação e intercâmbio de culturas

Grupo Folclórico Português Os Lusíadas

O diretor do grupo Os Lusíadas, Sergio Santos Oliveira, ressalta a importância de eventos como este. O grupo de Maringá tem mais de 50 anos de estrada e é composto por amadores que se reuniram para preservar as tradições folclóricas portuguesas. “Os festivais de folclore são muito importantes para divulgar a cultura, eles possibilitam que no mesmo espaço várias etnias, várias culturas se apresentem e demonstrem suas origens, a sua forma de ser. É uma aula de cultura, de beleza”, afirma Oliveira.

Segundo Feitosa, a ideia é que o festival seja ampliado no ano que vem, incluindo outras manifestações culturais, como o teatro e a culinária. O Sesc Cadeião mantem uma programação mensal de atividades culturais, muitas das quais são gratuitas, para mais informações acesse o site da instituição.